6 de novembro de 2017

Olá pipól, cá estou eu - Isa, sempre às ordens e ao vosso dispôr - para polvilhar o mês de Novembro de coisas boas

e trazer-vos notícias do mundo místico - no qual acredito cada vez mais e mais - pois que tenho notado nos outros e sobretudo em mim, uma vontade quase irreprimível de andar ao chapadão de manhã até à noite a tudo o que mexa, derivado, penso, do acumular de frustações decorrentes dos tantos acontecimentos de teores menos felizes que assolam o mundo, mundo onde se inclui, naturalmente, mesmo que nem sempre pareça,  este nosso maravilhoso pedacinho de terra, que deus nosso senhor jesus cristo resolveu plantar de maioritariamente aloilados, vá-se lá saber porque caralho. 
Assim sendo, e de modo a que comecem bem a semana, apresento-vos o ti' Braco.  Para quem não tem paciência para consultar o link, posso esclarecer, em linhas gerais, que é uma pessoa conhecida quase mundialmente por curar os outros, simplesmente com o olhar (mais ou menos como eu, de acordo com o que me dizem os mais chegados, mas no sentido inverso ao do dom do Braco). Ele não toca, não fala nem ouve as barquetas dos outros, ele olha e pronto. Ele "gaze". Que em português quer dizer algo como olhar fixamente, ou, tirem-me deste filme pelo amor de todos os santinhos, conforme o tradutor achar melhor. Há quem vá para o campo a fim de espairecer, olhar pró esvoaçar das folhinhas, e das ervas, e das moscas à volta das vaquinhas, há quem vá pra lá somente pelo silêncio, há quem prefira o doce dizer das ondas do mar, e depois há quem não tenha acesso a nada disso, e é aí que entra o Braco, que aqui se apresenta em vídeo, mas bom mesmo é quando o processo acontece em eventos, onde as pessoas pagam para o ver. E ele a elas.  

Oram vejam e curem-se.  
     




Ps: Nada a ver com o post:  Tenho 3 xizatos extra cá em casa, se alguém precisar é só dizer, que mando por aquela coisa do correio expresso ou lá que merda é.

2 de novembro de 2017

Nem tenho título para isto

(...)

(...)


(...)

(...)


"Deve atender", mas apesar deste e dos outros processos contra ele movidos, o colectivo parece estar ainda dúvidas sobre  a "personalidade do agente".  Acharam que uma pena suspensa está muito bem  e mandaram-no para uma terapia qualquer, à laia de um tau-tau adicional à pena, que é suspensa, quiçá porque há que haver esperança e depositar-se alguma fé em quem ficou provado em Tribunal, ser o protótipo do asco em todas as suas variantes, que ele mesmo se fez o favor de dar a conhecer a público.
Uma segunda oportunidade, portanto. Pese embora o óbvio. 

Já os corpos que jazem nos cemitérios deste mundo como consequência destas segundas oportunidades, tiveram uma só: A Lei.    

22 de outubro de 2017

Uma pouca vergonha nunca vem só




Isto é verdade. Isto aconteceu. Em 2017.




- "Ora, o adultério da mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade do homem."

 * Sim! sim! sim! Do homem. Pois. 

- "Sociedades existem em que a mulher adúltera é alvo de lapidação até à morte."

* :(  

Existem sim, é verdade.

A quem é que a Mulher Portuguesa deve agradecer por (quase) não viver numa delas, ó xotôr?  



- "Na Bíblia, podemos ler que a mulher adúltera deve ser punida com a morte"

* "Na Bíblia". Exactamente. Eu gosto muito da Bíblia. Por variadíssimas razões, mas essa que menciona é das minhas preferidas.  Desde muito pequenina que  me deslumbro com a Bíblia, sabe? Lá pode-se ler praticamente de tudo, desde "amai-vos uns aos outros", ou "quem nunca pecou que atire a primeira pedra", e etc, e depois isso que menciona. 
É da Bíblia e de palavras cruzadas. Gosto muito. 



- "Ainda não foi há muito tempo que a lei penal (Código Penal de 1886, artigo 372º) punia com uma pena pouco mais que simbólica o homem que, achando sua mulher em adultério, nesse acto a matasse. "

* Disse  1886?
Ehhp... 
Pouco mais de um século. 
Em termos evolucionais isso é (comprovadamente) um peidinho, xotôr. 
Tem toda a razão. 
Foi ontem. 
E mesmo ontem, xotôr, fazia todo o sentido. 

Exactamente o mesmo sentido que me faz o senhor estar sentado aí onde está, a  discernir e deliberar com estas maravilhosas contrafações de raciocínio, sobre os assuntos da vida alheia que lhe passam pelas mãos.  


19 de outubro de 2017

Ando um bocado indecisa em relação ao que me faz mais nojo

-Se a conversa da merda da oposição que compactuou com todas os factores que levaram ou facilitaram as recentes tragédias e agora vem com pedidos de desculpas igualmente merdosos - sendo-me óbvio o intuito subjacente que me deixa bastante claro desculparem-se é um caralho, o que querem de facto é agradar ao Povo que sabe-se lá porque cargas de água, ao invés de os encostar a todos a uma parede contenta-se com um pedido de desculpas e manifestações silenciosas - de modo a chamarem as brasas às suas sardinhas igualmente conspurcadas, se não pela participação directa em decisões que culminaram no que se viu, pelo menos na total abstenção de qualquer voz activa, como lhes competia,  com as mesmas, durante anos e anos, o que me leva a concluir terem aquelas posturas de madalenas arrependidas o único objectivo de desacreditar (ainda mais) o governo vigente,

-Se  a cegueira a raiar o colectivo, em não se alcançar o facto de que estavam reunidas todas as condições para a mão criminosa a soldo de sabe-se lá de quem  (embora se imagine),  poder cumprir na perfeição os seus objectivos, e que, exactamente porque essas tais condições, que foram e são da responsabilidade de todos aos que sentam o pandeiro na Assembleia da República, todos os dias, tornaram praticamente impossível minimizar o que sucedeu, 

-Se realmente se acha coerente que em 4 meses se tivesse conseguido mudar definitivamente fosse o que fosse,

-Se de facto aquele discurso olho do cu do nosso Presidente fez alguma diferença no sucedido -  e lá vai mais abraço e mais beijinho, e ai, ai governo! que se estão  a portar tão mal! -  sendo que todavia também nada mais faz, mas o pessoal aplaude porque sim,  hey, quem não gosta de um chamego, né? 

-Se a exigência de demissão da côr política em funções - que embora seja a quem se deve pedir satisfações, não as tem para oferecer,  exactamente pelas razões que todos conhecemos mas convenientemente nos esquecemos, quando em debates que não levam a lugar nenhum como nomeadamente aos que temos assistido por estas redes sociais afora, e que quando muito, quanto a mim, só servem para desrespeitar a memória dos que partiram  à conta de mais esta clara demonstação do quão putrefacta é a classe política deste País - não lhes dando a oportunidade de pelo menos tentarem endireitar o que está torto há séculos, como se outros merdas quaisquer a ocupar aqueles lugares fossem fazer melhor, os mesmos merdas que lá estiveram e foram o fio condutor para o estado actual das coisas,  para além da dúvida que se me impõe, no sentido de escrutinar se o que precisamos mesmo agora será de  perdermos mais tempo com moçõezinhas de censura e eventuais eleiçõezinhas antecipadas, ou deixar os que lá estão acelerar hipotéticos processos já iniciados, a ver no que dá, e se não seria de se esperar que todas as outras forças políticas, igualmente culpadas, repito, unissem esforços nesse sentido, discorro eu que nunca votei PS em toda a puta da minha vida.


É tudo.

   


11 de outubro de 2017

Mas é claro que sim, Donna Karan, é claro que sim...


"Designer norte-americana defende o produtor Harvey Weinstein acusado de assédio sexual."

(...)


(...)


Mesmo porque, falando por mim, sempre que vejo um homem de músculos ao léu, por exemplo,  a primeira coisa que me ocorre é assedia-lo sexualmente e acho isso perfeitamente natural. É um reflexo, digamos assim. Uma coisa incontrolável. Faz todo o sentido, em suma,  justificarmos  a filha da putice de alguém, com o que os outros vestem e mostram, ou como dançam. Sim. Porque vejamos, eu sou mulher e tenho instintos, né? E desejos e isso assim, logo, se um marmanjo me aparece à frente com aquilo tudo a transbordar, logicamente que a única mensagem apreendida é a de "estar a pedir" qualquer coisa. Pois. E nem sequer é um par de chapadas, uma camisa, uma t-shirt, ou a direcção de um estabelecimento qualquer onde se possa abastecer de vestuário que lhe dê um arzinho decente, não senhores, que eu cá é que decido o que o marmanjo "está a pedir". Assédio. Olé. É praticamente um direito que me assiste, acho que até vem numa Constituição qualqu...

Ai não..?! 

... Ai sim??
  
Ai este discurso bestunto é só pra homens, por causa daquilo do não sei quê que não conseguem controlar, e, tadinhos, que vêm com um canal a menos e logo aquele que transmite a razão desde as zonas genitais até ao cérebro, por isso é que há uns que por vezes ficam perfeitos trogloditas, obviamente sem responsabilidade nenhuma?? 

Epá... 

É que não estava nada à espera...

Olha, então dá a por mim uma beijoca rechonchuda ao teu amigo Harvey, e depois diz-me, ó Donna, como é que a gente explica aos outros todos  - os decentes ... *belhéque!* - que aparentemente andam a fazer tudo mal, uma vez que não assediam as engonhadas que andam com metade do corpo de fora. Ok? 
Com calma e muita tranquilidade. 
Temos tempo. 
Até porque a tua agenda deve ter perdido metade dos clientes.

Sua estúpida da merda.  
  


4 de outubro de 2017

Pode ser esta a primeiríssima vez em que os Muçulmanos e Católicos eurh ... vá, "convictos"*, estão de acordo em alguma coisa

Então e essa festa, meuzamigos??  




* Hoje estou bué da bem disposta.:))


Com tanto património imobiliário alegadamente adquirido pelo Engº Sócrates, com o capital cá da malta


Acho que já era de nos deixarmos de conversas da treta sobre politiquices que não nos levam a lugar nenhum, e  lançavamo-nos era à feitura de um mapa de férias popular. 
Hum..?! 
Apoisé. 
E como fui eu que tive a ideia, entendo ser justo que tenha a primazia, portanto:
Isa Maria para  a 1ª quinzena de Novembro deste ano,  em Paris.  
Agora entendam-se praí com as outras opções.


Ps: Blogger, acho a vossas tendências partidárias um amor, pás, mas eu cá gosto das minhas cenas ao centro. Arranjem lá isto, por obséquio.