2 de agosto de 2018

"Se fores incompetente, não podes saber que és incompetente" - I


Hélder Milheiro, porta-voz da PróToiro, Federação Portuguesa de Tauromaquia



Em entrevista ao "Vozes ao Minuto". Não me surpreendeu, mas deixou-me, todavia, muito periclitante entre qual das bacoradas hei-de eu acalentar com mais carinho, porque uma pessoa em estado de dieta permanente tem mesmo que ter ao que deitar mão, quando lhe apetece, por exemplo, aviar brigadeiros como se não houvesse um amanhã, induzindo-se  assim ao enjoo compulsivo:


Esta..

"Porque é de proibição que estamos a falar. O PAN tenta amenizar usando a palavra abolição, mas é de proibição que se trata. E sabemos que os partidos têm uma posição de respeito pela liberdade, pelos direitos e garantias que estão a ser atacados pelo projeto do PAN."



Proibir: Ordenar que não se faça
Abolir :   Anular, fazer cessar.

Lá está. Uma coisa era ter-se abolido as touradas, mesmo antes de ter lembrado ao 1º neardental portador de micropila por-se a massacrar bichos porque sim e porque, quiçá, uma questão de compensações, outra - bastante diferente - é agora em plena vigência do século XXI, virem  meia dúzia de parvos querer proibir coisas. Não. Não! Não agora que já atingimos um nirvana do camandro, somos todos tão civilizados, conscientes, iluminados, pacíficos e essas merdas todas. Não! Nós estamos todos perfeitamente cientes do que é a "Liberdade" de cada um, eu prezo a minha, a pessoa preza a dele, sendo que é dentro do tanto que se sabe prezar o conceito, que posso perfeitamente gostar de touradas, massacrar animais e etc, em virtude de o meu livre arbítrio passar por isso mesmo: Gostos.





Esta..?

"Temos que olhar para a ciência e perceber que animal é este. O touro é um animal selecionado há mais de 300 anos em função da sua bravura que é a resistência à dor, é a capacidade de investir e acometer continuamente superando qualquer tipo de sensação de dor. Por que é que perante o estímulo da bandarilha o touro não tem o reflexo de fuga que é a reação natural à dor, mas tem a reação inversa que é de investir? Segundo a ciência o hipotálamo - zona do cérebro responsável pela segregação das hormonas responsáveis por bloquear os recetores da dor – é 30% maior nos touros. Provavelmente como resultado da pressão feita pelos homens, o touro tem vindo fisiologicamente a adaptar-se ao contexto da lide, ou seja, tem mecanismos fisiológicos que lhe permitem reagir de forma diferente às situações de dor."
Em que o indivíduo, pese embora o  seu"provavelmente", aparenta ter dados científicos de algo que me transcende ( não sabia que o tamanho do hipotálamo está directamente relacionado à endurance enquanto aos estímulos que recebe, por vias de uma qualquer memória genética, por exemplo, como depreendo do depoimento em apreço - o que, se assim for, juro pelos deuses que não entendo como é que o meu responde tão negativamente a filhos de uma puta, uma vez que toooooooooooooooooooda a minha árvore genealógica decerto se confrontou com uns quantos, e neste contexto eu já havia de estar mais impermeabilizada ao DNA dos atrás referidos - bem como àquilo de o toiro investir, quando vê a bandarilha, argumento que se me afigura com uma lógica do caralho. Portanto: Se o toiro investe, só pode ser por querer ser espetado. Naturalmente. São animais muito bravos, que há 300 anos aprenderam a brincar com o humano, a quem tanto apraz, volta e meia, umas reinações assim pró sanguinário, maneiras que. 


Esta..?

"O argumento do PAN é um argumento que se baseia em quê? Onde é que está a análise do touro e da sua fisiologia e os dados científicos que fundamentam essa análise? O que o PAN fala no projeto é de bovinos, de vacas leiteiras e coisas do género e não se baseia em termos científicos daquilo que é o touro bravo."

("Dados científicos". O elemento precisa de "dados científicos"que fundamentem a "análise"). 

Bom ... Espetar coisas/Sangue = Dor. 

(Mas eu não sou cientista, é tudo baseado em experiências próprias. Calma). 



Ou esta..?

 "A PróToiro defende a tauromaquia como fazendo parte da Cultura. Esta mesma cultura é também argumento que serve o PAN que recorda que “da nossa herança cultural faz também parte a escravidão, a inquisição e a pena de morte e todas foram abolidas”.

- "Felizmente! É exatamente porque os homens são diferentes dos animais que não é admissível que qualquer humano seja tratado como outra coisa que não seja como um ser humano, estamos a falar de direitos humanos. É essa a diferença. O PAN quer criar uma lógica animalista e o que o animalismo tem na base é a ideia de que os animais e os humanos são iguais, que não há diferença."
Esclarecendo que não sou PAN, nem os tenho em grande apreço em virtude do praticamente nada que lhes vejo como resultado das suas intenções, mesmo sabendo que neste caso em particular se confronta um lobby saber-se que quando nestes confrontos, as primeiras guerras perdem-se sempre, "cultura", cara PróToiro, é algo que enriquece, mas não no sentido a que estais habituados. Cultura é o património, a história, é a gastronomia,  o idioma, a música,  o folclore, o território, é a literatura de cada Nação. Cultura é conhecimento, inclusive o conhecimento de, ao reclamarmos a superioridade humana, termos a dignidade de o fazer, agindo de acordo com o que nos fomos descobrindo através dos séculos da nossa pobre existência, pelo que, efectivamente, é muito de lamentar que por esta altura, ainda se tenha que reclamar uma "lógica animalista", lógica essa que não consiste em nos minimizar, mas antes em nos por, caro caramelo, no lugar que nos pertence; O de seres a caminho da efectivação da nossa superioridade racional e intelectual. 

Olha! ... Acho que já escolhi. 

2 comentários:

  1. Clap, clap, clap, clap, clap... já te disse hoje que gosto muito de ti?
    Não há um único argumento capaz de me convencer que a tauromaquia é uma coisa boa, nenhum. E quanto mais se esforçam para defender essa merda, mas me convencem que são todos animais nas praças de toiros: toiros, cavalos, toureiros e aficionados! Não há pachorra...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje ainda não me tinhas dito! Até estava a estranhar...P
      Sabes bem que é recíproco..

      É tudo mau. E normalmente, quanto mais falam mais se enterram. Comigo, a tolerância pra esta gente é zero, é que nem entro em discussões sobre o assunto. Acho o tema indiscutível, e depois, à chegada do velho argumento "mas comes carne, não comes??" a coisa resvala-se-me invariavelmente para o pior de mim, de modo que é melhor não.
      Prefiro pensar que um dia eu e estes camelos todos morreremos, e as próximas gerações até sentirão um certo constrangimento em falar destas questões.
      Como é que se pode reduzir isto a uma questão de "gostos" ou argumentar-se pretensões de sobrevalorização de espécies por subvalorizações do humano, é coisa que morrerei sem entender, ou como é que não se entende que, ao se defender aquela barbárie, se está exactamente a fazer o que os avilta.

      Eliminar