3 de julho de 2017

Sobre aquilo de Tancos

Só tenho uma questão que me parece assaz pertinente, sobrepondo-se a qualquer outra - nomeadamente as que possam suscitar sobre um ministro assumir as responsabilidades politicas do acontecimento mas continuar com o rabiosque sentado na sua cadeira de ministro, ou onde é que andava a ronda durante o assalto, ou ainda como e porquê que um sistema de vigilância que controla movimentações ao redor de paiós está inoperante, ou se querem mesmo que a malta acredite que aquilo aconteceu assim naquele ápice e da forma como dizem ter acontecido, e ficava aqui o resto do dia a tecer interrogações, não fosse dar-se o caso de saber perfeitamente nunca as ver respondidas -  devido justamente a refletir o âmago da questão que entendo dever ser primária a todos nós, e que então  é seguinte:

- Os itens em tema, subtraídos de forma tão enigmática lá aos paiós, terão um tempo de vida, ou são como os submarinos adquiridos pelo nosso querido Portas, que aquilo é vê-los numa fona pra lá e pra cá, todos malucos, palmilhando os mares em nossa defesa..?



Sem comentários:

Enviar um comentário