3 de maio de 2017

Comunicado

Aos envolvidos na queixa crime por mim efectuada e devido a acontecimentos recentes, informo que:

1 - Qualquer telefonema a partir de números privados, recusando a pessoa a sua identificação e na tentiva de saber informações sobre a minha pessoa (ex: direcção e contacto) para os meus ou para a minha empresa, será imediatamente repudiado e adjudicado ao processo em curso.

2 - Justificar-se o pedido de informação, alegando "assuntos pessoais", não valida o facultar da mesma. A minha empresa é séria e conhecedora de todos os códigos de ética. Não se envolve em assuntos pessoais. A menção a terceiros envolvidos nesses supostos "assuntos pessoais", ficou, no entanto, registada, o que me leva a deixar bem claro que a queixa foi efectuada por mim, dizendo unicamente respeito, portanto, à minha pessoa.

3 - O argumento - testemunhado por funcionários da empresa - de que se trataria de uma queixa crime, alegando a eventualidade de por lá a polícia aparecer, que se quereria efectuar contra mim, será na mesma medida ignorado, pois que quem tem o contacto da minha empresa, facilmente conseguirá a sua direcção. Bastará que dirijam a missiva à minha pessoa.  O acto será adjudicado  ao processo em curso.  

4 - O argumento de se querer poupar o meu sócio a essa situação, testemunhado por funcionários da empresa,  será visto como igualmente inócuo. O meu sócio está a par da mesma, bem assim como deste comunicado. O acto será adjudicado ao processo em curso.

5 - A insistência nos telefonemas, bem como os insultos dirigidos à funcionária que os ouviu, e que foram testemunhados por funcionários da empresa, será  igualmente adjudicado ao processo em curso.


6 - Terá a pessoa que se explicar, quanto ao como teve acesso a todos os dados acima mencionados, pois que também este dado será adjudicado ao processo em curso. 


7 - Tomarei as providências necessárias no sentido de que em caso de qualquer dano, material ou físico, que me venha a ser infligido, aos meus ou a qualquer funcionário da minha empresa, quando em caso de não ser o infractor detectado em flagrante, as suspeições primeiras recaiam sobre quem se propôs aos actos acima descritos. 


8 -  Telefonar-se de um número privado, recusar-se a devida identificação, mais tarde ligar-se de novo de um número privado gritando "vê lá se este é o mesmo número que ligou há pouco, sua estúpida!", dificulta essa verificação, uma vez que ambos os números são privados. E nessa perspectiva, penso poder dizer-se que sim, os números são os mesmos, para além de me falhar a percepção de modo a entender como, caso fossem pessoas diferentes, uma saberia do ocorrido com a  outra. 


9 - Por exclusão de partes, uma vez que se tratava de uma voz feminina,  que perante a recusa da informação pretendida vociferou à sua interlocutora "pita mimada", aliada à menção do nome da outra pessoa de quem a autora das chamadas anónimas referiu dizer o assunto respeito, leva-me a que a minha suspeição recaia no único paralelo que conheço. Essa, para mim, evidência,  será adjudicada ao processo em curso.


10 -  Foram notificados todos os funcionários no sentido de, em caso de números anónimos, ou não, que pretendam informação a meu respeito, serem os indivíduos em questão informados de que essas chamadas serão gravadas. 


11 - Este comunicado vai ser reencaminhado aos meus advogados, que será através de quem, caso os envolvidos nesta questão queiram comigo dialogar, o deverão fazer. Os seus contactos encontram-se no mesmo sítio onde, suponho, alguém alheio ao processo, terá facilitado os outros.  

12 - A observação anterior não pretende  isentar o facilitador de informação primeiro, igualmente por mim denunciado. 


13 - Aconselho muito vivamente aos envolvidos, a boa leitura e pós real percepção do que acima escrevi.  


Obrigada.




4 comentários:

  1. Eu vim só cá dizer que estou totalmente disponível para facultar o meu contacto a putas empedernidas que precisem de chegar à fala comigo, ainda que me recuse a falar com essa espécie de gente.
    Hoje sinto-me benevolente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já te disse, a outra pessoa supostamente em causa nos tais "assuntos privados", foste tu.

      Este é um assunto muito sério. Quando mais uma vez se perde a noção de limites e se transgride a Lei sem, aparentemente, a menor noção das consequências, penso que deve ser denunciado publicamente. Invadir-se um local de trabalho, admoestar-se funcionários, acossa-los com telefonemas, ameaça-los e insulta-los, é-me absolutamente inadmissível, denotando mais uma vez a índole da pessoa, bem como de quem lhe facultou a informação.

      Eliminar
  2. Só me ocorre dizer isto: eish ca burra!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora, mai linda! ... Do mais inteligente que há!:P

      Soube há pouco que, num dos muitos telefonemas feitos, quis falar com o meu sócio, que infelizmente se encontrava em reunião.
      Uma pena.

      Espero que tente de novo amanhã.

      Eliminar