19 de abril de 2017

Pessoal da Filipinas, continuem com o vosso excelente primor nisso das flagelações

Que cada um à sua maneira, decerto estarão a cumprir e a homenagear as vossas convicções. Eu cá não sou de violências e tenho  uma tolerância à dor a rondar valores negativos - ali a par com a tolerância a estafermos - mas pás, entendo que cada um sabe se si, cada um acredita no que escolhe acreditar,  pelo menos é isto que eu acho que.  Não sendo uma pessoa particularmente religiosa embora clame  pelo Boss constantemente e o máximo que faço pela Páscoa é isto e 'tá a andar,



em minha defesa, contudo, atrevo-me  arrazoar ser talvez por isso mesmo que aceito muito bem as  crenças do próximo, mesmo quando me parecem uma beca sinistras, como é o caso. Porém, façam o que quiserem desde que não me envolvam, é o meu lema, mais a mais a autoflagelação já remonta lá à idade média, pás, e quanto a vocês em particular, só não sabia dessa vossa tradição quem nunca tinha percebido, durante um porradão de anos a fio, pra que servia aquele aparelho que mora lá em casa chamado "televisão", por exemplo,  e agora é que deu com a coisa. Depois, ninguém é Ele pra dizer ou decidir se esses sacrifícios  são ou não compreendidos/aceites pelo Jesus, que é uma Pessoa independente, com opiniões próprias e Ele é que decide, era só o que faltava agora cá merdas, NÃO JULGUEM, caraio!
Quer-se dizer..! Um Filipino faz aquilo  impregnado de sacrifício, arrependimento de eventuais pecados, almejando a purificação da alma, um gajo até se crucifica porque acredita mesmo ser esse um modo dizer ao Profeta  "tou contigo, maméne, e não abro,  nóis somo como o arroz cozido", uma vez por ano o elemento rasga-se todo, aguenta sabe só ele a que duras penas aquilo pelo que dizem Jesus passou, acresce que se ao  indivíduo calha morrer, o mais certo é nem sequer ressuscitar, o índio embarca naquilo cheio de Fé, sem arrastar ninguém consigo e faz tudo por si e pelos seus. Mas isto está mal.  Já o  povo do BDSM, que para além de andar  a torcer o mamilo do alheio sempre que lhes dá na telha - e de forma assaz entusiasta e sistemática, diga-se de passagem  -  lhe espeta com umas boas galhetas, praticamente o estrafega, utiliza artefactos  que metem respeito as práticas de Guantámano, e andarem nisto  o ano todo ...  está perfeito e é bem bom. 

Olhágora...

Queridos Filipinos, não liguem a facciosos , é o que vos digo ( ou penso eu, se preferirem). Sugiro que prossigam com o vosso excelente trabalho, uns diferentes dos outros, é bem certo, uns mais ensanguentados, outros menos e etc, mas continuem, e a essas bocas da reacção, que tenho pra mim serem provenientes de não mais que  inveja pura aliada à boa e velha falta de sexo,  em parceria com uma dose valente de bullying,  proponho que lhes mostrem o dedo do meio - o que não estiver furado, naturalmente - e sigam com as vossas vidinhas. Ahahahahahah, gente tão palerma, credo, ehhp...

Vá, cá joca à Isa, sa uulitin e salamat pela gentileza da vossa atenção, pois que calculo estarem ainda cheios de dores. 




Ps: Espero que tenham aderido àquela app de aprender imensas línguas num punzinho, canão estive aqui a escrever pró boneco e por acaso isso incomoda-me um coche, mas ok, não vos vou maçar com isso agora.   

4 comentários:

  1. foda--se e desculpa o termo, mas saiu, essa do bdsm misturado com os filipinos...está demais!! ja me fizeste rir...mesmo!

    bom dia Isa

    (só faltou mesmo misturares as práticas dos membros mais aguerridos do Opus Dei)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))

      Bom dia!

      Motivações e objectivos diferentes, é certo, mas quanto a mim, ambas as práticas bastante questionáveis.
      Se uns entendem que o sofrimento lhes traz redenção - e por consequência algum tipo de alívio, logo algum tipo de prazer, com base naquilo em que acreditam - os outros não ficam longe disso. Só não os veicula o factor espiritual, ou fé, ou o que se lhe quiser chamar, assim como a conhecemos, todavia, assenta também num tipo de convicção, ou mesmo necessidade.
      Li há um par de dias que os estudiosos retiraram os praticantes da BDSM dos denominados "desvios comportamentais", onde os tinham inserido. Uma pena, porque acho que eles gostavam muito de lá estar...

      Não posso falar da Opus Dei, que depois não me canonizam, e eu quero bastante. Shiu!:P

      Eliminar
  2. Ahahahahahahahahahahah :D
    É caso para dizer que uma mãe e um pai fazem muita falta, mas uma televisão, meu Deus, uma televisão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D

      Não mencionei a internet, porque é mais recente em relação à televisão. Nem livros, porque já se sabe que quando uma pessoa está embrenhada na absorção de determinados estudos, fica sem espaço para tomar conhecimento de outros.
      (as mais inteligentes, está claro):P

      Eliminar