27 de abril de 2016

Devido a circunstâncias de foro íntimo, assaz emotivos & até indícios de em contrário

Darei início à rubrica



Onde e através da qual se pretende a divulgação, nomeadamente,  de frases bonitas, motivacionais, de partilha, de amor, introspectivas e/ou o caralho, no sentido de se proporcionar ao leitor um último bocejo  saudoso do bem bom de sua caminha,  antes  do café da manhã. Também se oferecerão  dicas, algumas retiradas do livro Escola de Noivas - uma Bíblia sobre como se passar a ferro lençóis bordados, tratar das plantas, gravatas e camisas do marido, do marido propriamente dito, a melhor localização para um psiché, receitas de culinária e etc - do qual sou a feliz proprietária, por razões de herança, de um exemplar da 8ª edição. ( Incha Pipoco).

Dependendo do tempo que a razão deste meu estado de espírito demorar, sou bem capaz até de m'atirar também a conselhos de beleza. Não sei. Estou completamente dependente daquele dedinho que vai aprovando comentários, inferindo por tal, que se aquilo mexe, o resto virá por arrasto. Amén, assim seja, hosana nas alturas, que os deuses me ouçam.

Ora aqui fica, então, algo que espero vos acompanhe por todo o dia, de forma a que possais transformar-vos em pessoas mais bonitas:


"Não deixe que o ruído da opinião alheia impeça que você escute a sua voz interior."

- Steve Jobs 



A minha está a dizer-me que tenho hora marcada no cabeleireiro. E a vossa?



   

31 comentários:

  1. Escola de noivas não conheço, mas lembro-me de ver em casa da minha svó um exemplar d"A perfeita dona de casa", que versava sobre os mesmos temas. Tinha capa bordejais com gravações douradas, uma relíquia. Hei-de perguntar à minha mãe onde anda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este tem uma capa bastante simples, mas um conteúdo fantástico, e estou mesmo a sério. Já tirei muita nódoa de muito sítio, por exemplo, recorrendo aos ensinamentos da Srª. Dª Laura Santos.

      Eliminar
    2. É da mesma autora, essence não me é estranho. Tenho mesmo de tirar isto a limpo.

      Eliminar
    3. Confirma-se
      http://www.custojusto.pt/lisboa/livros/a-perfeita-dona-de-casa-de-laura-santos-12764739

      Eliminar
    4. Uma relíquia. É guarda-lo com carinho.:)

      ( Nada de concorrências aos meus eventuais futuros ensinamentos, sim? pretendo ganhar uns tostões à pála deles - em a Becel me descobrindo, ou assim - que tenho uma viagem agendada pra Outubro a Marrocos e preciso de realizar capital).

      Eliminar
  2. Eu consigo aprovar comentários sem mexer um dedo que seja.

    E para mim, há por aí alguma coisa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chega a sr confrangedora, essa tua gabarolice*. Não te envergonhas, Pipa Maria?

      *
      con·fran·ger |ê| - Conjugar
      (con- + franger)
      verbo transitivo
      1. Moer; apertar.
      2. [Figurado] Atormentar; angustiar.
      verbo pronominal
      3. Angustiar-se.


      Olha, tu ficas aqui pertinho de moi, a rezar para que tudo lhe corra bem em termos de saudinha.
      As minhas preces já deram resultados, como toda a gente pode observar. Já conseguiu levantar a cabeça da almofadinha e lá foi dar mais um ar da sua profunda ignorância, com direito a display público e tudo. Êta, anime mai gotôso, saudadeca qu'eu tinha dela!

      Ou isso, ou a aprenderes a improvisar um toucador. Ora escolhe lá.


      Eliminar
    2. (O asterisco devia estar em "confrangedora").

      Eliminar
    3. Ó Isa, havias de ver isso de dar erros. Confrangedor?! Ahahahahah! Santa ignorância! Mas o pior cego é o que não quer ver, não é?
      Estava aqui à espera de uma pedacinho de tempo para fazer uns copy+paste e ensinar umas coisas (mesmo nunca tendo dado explicações), mas vejo que não é preciso. A simples consulta de um dicionário dissipa qualquer dúvida que uma mente inquieta com os "erros" alheios possa ter.

      Eliminar
    4. Temos que ver isto pelo lado positivo, Mirone, até porque é disso que trata a minha rubrica: Positividade.
      Lázaro ressuscitou, e nem precisou de 3 dias. (Em calhando saiu-lhe aquela pérola, porque estava cheio de fome, ou ia ao xixi ou assim, e de caminho fez aquilo).

      O pior cego é o que não quer ver, o pior estúpido é o que não consulta uma merda de um dicionário antes de disparar com alarvidades, o pior doente é aquele que não está, e por aí afora.

      Eliminar
  3. Preciso tanto de uma bíblia dessas, para ver se aprendo a fazer qualquer coisita.

    Isa B.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E gostavas de começar por onde?

      Apetrechos para cozinha, receitas, saber engomar na perfeição, tratar de plantas de interior, arrumar um closet, sentar quem ao lado de quem num jantar de cerimónia..? Tens que ser mais específica, pá. Assim não consigo!:P

      Eliminar
    2. O básico mesmo: como receber o marido que regressa a casa exausto?
      1. Estar penteada é ligeiramente maquilhada e de roupa impecável (é permitido o uso de avental desde que limpo)
      2. Apresentar As crianças com Banho tomado e de preferência já jantadas
      3. DescLcá-lo e oferecer-lhe os seus chinelos, uma bebida e o jornal
      4. Jamais o aborrecer com assuntos corriqueiros ou da lida da casa.

      Eliminar
    3. Argh! Bolas!

      Falhei no nº1. Logo ali à cabeça. Pimbas.
      Às vezes tinha o avental manchado com umas gotitas de tequila.

      Eliminar
    4. Fica sabendo, Isa, que uma das minhas sobremesas favoritas é o famoso "espera maridos", um doce que toda a dona de casa deveria saber preparar en quanto aguardava o regresso a casa do seu marido.

      Eliminar
    5. UAU!

      Olha, eu cheguei a levar a urina de sua excelência pra análise, porque ele estava cheio de pressa naquele dia e não lhe apeteceu fazer chichi pró frasquinho. Maneiras que fui lá eu, ao laboratório, entrega-la no dia seguinte. Qual esposa amantíssima, dona de casa perfeita.
      Hã?

      Olé.

      Sempre quero ver quem ultrapassa esta.

      Eliminar
  4. Confrangedora é a posição em que algumas almas se colocam... enfim...

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viste bem. Desta vez. Um erro evidente de digitação. "Confrangedor", também viste bem. Existe, como
      já se to mostrou, e por tal, apagaste o post em que mostravas, mais uma vez, não só a ignorância, que sendo legítima em qualquer um ( não temos que conhecer as palavras todas do nosso amado Português),passa a ser estupidez, a partir do momento em que se assume que, porque não se conhece, não existe.
      Tal qual uma alma e mente estreitas.

      "Também" vi mal, é só sinónimo disso mesmo.

      Eliminar
    2. Nunca vi ninguém gostar tanto de ser chamada de burra, foda-se!
      Gosta tanto que insiste em mostrar ao mundo o poço de ignorância que é, na ânsia de ser chamada, mais uma vez, de burra de merda.

      "Eu, leio"
      Toda a gente vê isto que por acaso foste tu que escreveste. Menos tu, que andas ocupada à cata de gralhas e pensas que sais vitoriosa desta mania de mostrares que és superior aos outros, quando não passas de um cagalhão mal cagado.

      Eliminar
    3. É um fetiche, está visto.

      Adoro a estratégia psicológica do «"também" vi mal»?
      Como se se fosse um "também", tivesse necessidade de apagar o confrangedor post, sobre o seu absoluto desconhecimento da palavra confrangedor. Espero que calce o 46, que em mais pequeno, não sei se ainda terá pés para andar..

      Eliminar
  6. Juro que nunca tinha visto tanta parvoíce e burrice concentrada numa só pessoa, arre que é demais!!! Parece impossível tanta falta de noção... mas afinal, que idade tem?! É que agora com esta de andar à cata de gralhas para pespegar no seu blog numa tentativa frustadísssima de sarcasmo, não lembra ao diabo... ó pink pita, faz um favor a ti própria e vai-te esconder, filha! A ti não te falta um "bocadinho assim", faltam-te toneladas, filha, toneladas...

    ResponderEliminar
  7. Pink, deixei-lhe este comentário:
    Então, Pink, o que é feito da sua palavra? Disse-me que não voltaria a meter-se comigo e já é o segundo post que me dedica em dois dias.
    Um primeiro, absolutamente confrangedor, onde revela apenas ignorância e uma vontade de criticar só porque sim.
    Acabou por ter de apagar o post, mas não se livrou do vexame que foi, em primeiro lugar, tê-lo publicado. É que não fui só eu que o vi, foram também os seus leitores e amigos.
    Não contente, foi procurar um comentário meu com um erro. Era fundamental provar que dou erros, a sua convalescença dependia disso. E numa atitude infantil faz um post, orgulhosa, nhanhanhanhanha, apanhei-te.
    Dou muitos erros, Pink, a grande maioria são gralhas, erros de digitação, como é o caso que mostra. É feio, apenas isso. Não tão feio como não saber pontuar, atropelar a gramática e ortografia post sim, post não é, ainda assim, ficar feliz porque descobriu uma gralha num comentário alheio. É fácil apontar os erros dos outros quando ignoramos os próprios erros. Cada um é feliz com o que é. Eu fico feliz quando nos apontam, sempre é uma forma de ficar alerta e tentar não os repetir. Fico feliz também por lhe proporcionar momentos de felicidade. Força, nem precisa de ser esforçar muito na procura, a net está cheia de comentários meus com erros e gralhas.

    Corra a aprová-lo. Na volta ainda encontra mais uns erros e fica com material para mais uns posts.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dou-lhe uma ajuda: onde se lê "é, ainda assim" devia estar "e, ainda assim".

      Eliminar
    2. Outra ajuda: "ser esforçar" em vez de "se esforçar".

      Eliminar
  8. Repara, Isa, que poucos minutos depois de fazer um post a apontar um erro (depois de uma tentativa falhada que teve de apagar), faz um outro post, onde cita um texto da Loira (que em tempos acusou de ser vítima de lavagem cerebral, mas que agora assegura ser daquelas a quem
    Não lavam o cérebro) que critica, precisamente, essa atitude de apontar os erros alheios.
    Deixei-lhe um comentário a perguntar em que ficamos, se os erros são para apontar ou não. Vamos ver se publica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas isso é típico de todo o manipulador, Mirone. Dar a volta a toda e qualquer situação a que se possa deitar mão, no sentido de a usar a seu favor.

      Na pessoa em questão, é só mais do mesmo.

      Eliminar
    2. Eu diria incongruente, não lhe reconheço capacidades de manipuladora. Criticar o que se fez antes, imediatamente antes, é coisa de pessoa incongruente (e outros adjectivos que não vou elencar).

      Eliminar
    3. Lamento, mas as seguintes palavras não existem:

      "elencar"
      "incongruente"
      "Adjectivos"

      Obrigada.

      Eliminar
    4. E viste isso onde? Na pinkipédia?

      Eliminar