3 de março de 2016

Erótica

Tu e eu, quando nos juntamos
é carne e peixe, é água e azeite
tu e eu, quando nos unimos
é o eu quero e  tu também
tu e eu, quando nos vemos
é  a mão na orelha
e orelha sem ti 
é  tempo que passa e não notamos
é  explosão de mim
por causa de ti
tu e eu, quando juntos
é  fulgor, é ardor
é o calor de dois corpos fundidos
tu, o brinco
eu, dois furos
tu, que penetras
eu que ... ai sim, ai sim...

By Isbel Barbosa. Não permito a partilha deste texto.



Não permito a partilha desta imagem.



8 comentários:

  1. Só a amigos chegados, que não quero cá plágios.

    ResponderEliminar
  2. Mas quê, o poema é teu? Até que me parece bem, e o post abaixo também gostei.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada, JJ. Poema meu, sim senhor. Sabes muito bem que adoro escrever, sobretudo quando
    sob pseudônimos oferecidos, e especialmente quando a oferta vem de pequeninos montículos de esterco. É como darmos-lhes uma razão pra suas inúteis existências, é como dar a devida sonoridade a um peido, depois de expelido, peido esse que nem a função "som" soube exercer.



    Sinto-me uma Madre Teresa à conta destas cenas.

    ResponderEliminar
  4. Lá estás tu outra vez a falar isabelês barbosês, não te percebo pá, ou se calhar gostei do post abaixo, e do poema, precisamente por não os ter entendido. Bem, o poema poderia facilmente ser usado como letra de uma música, assim ao estilo Quim barreiros. Seja lá como for, a função som do peido é um alerta natural, existe para que os outros sejam avisados da nuvem tóxica. É maravilhosa a natureza, não é? Quase poderíamos dizer que foi Deus quem deu a voz ao peido. Deus misericordioso, claro.

    ResponderEliminar
  5. Óbvio. Depois há o Deus mais severo que nos põe à prova, perante os tais puns sem som em forma de gente, como que a dizer: ora vê lá se fazes disto alguma coisa, qu'Eu cá desisto.
    E a gente vai, e faz!
    Ou seja, de um aborto da Mãe Natura, uma pessoa tira inspiração pra coisas - fatelas, claro, que não se pode fugir assim tanto à essência de um peido nado-morto - com alguma arte.

    ResponderEliminar
  6. Os meus parabéns então. E já pensaste em ocupar o tempo a fazer tapete de arraiolos?

    ResponderEliminar
  7. Obrigada.

    Não. Mas tenho 4 paninhos de psiché com "pró caralho" escrito a ponto pé de flor.
    Interessa?

    ( Ficaram em stock desde o dia dos namorados deste ano)

    ResponderEliminar